O que fazer em Muxía

Bem-vindo a Muxía, uma das aldeias piscatórias mais típicas da Costa da Morte, internacionalmente conhecida por ter sido o Km 0 da catástrofe Prestige em 2002, mas não só por isso, mas também pelo seu enclave que faz Muxía está sempre aberta ao mar, tanto geograficamente como socialmente. Um lugar tranquilo para garantir umas férias de verdadeiro descanso, sempre com o mar como protagonista principal.

A Costa da Morte é uma região muito especial da costa galega, mas tenha cuidado porque é “aditiva”, e um pode apaixonar-se muito rapidamente de seus encantos.

Como em todas as nossas indicações, as seguintes informações e conselhos se baseiam na nossa experiência e na experiência dos nossos clientes e o seu feedback.

SITUAÇÃO

Muxía está localizada no coração da Costa da Morte, e sua forma peninsular significa que sempre temos o mar a menos de 100 metros de nós, independentemente da área da cidade onde estamos.

A sua localização é ótima para diferentes visitas na área, que listamos abaixo:
– A 29 km (30 minutos de carro) de Finisterre, conhecido mundialmente pelo seu cabo, além de ser una vila marinheira de grande encanto.
– A 20 Km (20 minutos de carro) de Corcubión, uma das pérolas da Costa da Morte.
– A 29 km (30 minutos de carro) de O Ézaro, onde desemboca em catarata o Rio Xallas.
– A 25 km (30 minutos de carro) de Camariñas, capital da tradicional “renda de bilros”,ou onde é o Cabo Vilan, um dos mais belos faróis da Galiza.
– A 94 km (70 minutos de carro) da cidade de A Coruña. Bela cidade que recomendamos não perder, pela sua beleza e o seu mar.
– A 73 km (70 minutos de carro) da cidade de Santiago de Compostela, capital da Galiza e icone turístico / histórico / monumental da Galiza.

O TEMPO

Situado na costa central da província de A Coruña, Muxía tem um clima muito temperado durante todo o ano, ou seja, não é muito frio no inverno e não é sufocante no verão.
Com temperaturas de 20/21 graus no verão, 14/15 graus na Primavera e no Outono e 11/12 graus no inverno, em Muxía não é preciso o ar condicionado para dormir.

PRAIAS

A prefeitura de Muxía tem um grande número de praias, das quais aconselhamos o seguinte:

– Praia de A Cruz: Localizada na entrada da cidade, é a praia, com águas cristalinas e mar calmo, mais percorrida pelas pessoas da cidade. Seguindo o litoral da Playa de A Cruz, você também pode caminhar facilmente até as pequenas praias de Espiñeirido e Arliña.
– Praia do Lago: Um pequeno paraíso para quem gosta de praias tranquilas e ambiente familiar. Com uma localização privilegiada e rodeado por um enorme pinhal, a Praia do Lago é uma referência na área.
– Praia do Coido: Localizado no centro de Muxía, é uma enseada salpicada de pedras e areia (não muito) e muito popular entre os habitantes locais.
– Praia de Nemiña: Embora pertença ao município de Muxía, está localizado a 15 km do centro. É uma praia imensa, de grande beleza, e especialmente indicada para a prática de esportes marítimos, especialmente o surf, já que é uma praia de referência na Galiza para a prática deste esporte.

RESTAURANTES

Estar na Costa da Morte, sempre de frente ao mar, faz que a gastronomia seja um dos pontos fortes de toda a zona. Logicamente, peixes e mariscos são os produtos mais apreciados, mas temos também outras opções interessantes.

Sem prejuízo de qualquer outro restaurante (repetimos, toda esta informação é baseada em nossas experiências pessoais), listamos diferentes restaurantes locais (Muxía e arredores).

– Restaurante D’Alvaro (Muxía): Além de destacar seu serviço de qualidade e atenção cuidadosa, é um clássico da Muxia. Tanto as carnes, peixes e frutos do mar são sempre de alta qualidade, e servidos no seu ponto ideal. Ele está localizado no centro da cidade, ao lado de nossos Apartamento VIDA Muxía.

– Restaurante A Casa do Peixe (Muxía): Também localizado no centro de Muxía, é muito fácil chegar lá. Como o próprio nome indica, a especialidade é peixe e marisco, sempre fresco e de qualidade imbatível. Menção especial tem a caldeirada de pescado, uma das melhores que já provamos nos últimos tempos.

– Restaurante O Rincón da Baiuca (Muxía): Localizado nos arredores de Muxía, é um restaurante um pouco mais “sofisticado” que os anteriores, referindo-se à apresentação dos pratos e à maior elaboração dos mesmos. Localizado em uma casa de pedra, tem uma sala de jantar muito agradável, e sua relação qualidade / preço é mais do que interessante.

– Restaurante Casa Carmela (Merexo): Localizado na aldeia de Merexo, a 8 km do centro de Muxía, mas vale a pena ir para lá. Sem ser um restaurante de luxo, longe disso, servido em uma mesa com uma toalha de mesa de papel e sem grande fanfarra na decoração. Deixe-se aconselhar, pois o cardápio depende muito do peixe e marisco que estaria no mercado naquele dia. E o melhor … o preço!

– Restaurante Mar Viva (Corcubión): É um restaurante inovador à sua maneira. E uma peixaria / restaurante muito bem ideada. Na entrada do local podemos ver todo o peixe exposto como numa peixaria e cada um escolhe o peixe que quisser assim como a maneira de ser preparado. O preço é médio/alto, mas a matéria-prima é da mais alta qualidade.

– Restaurante Insua (Cee): Localizado em Cee, a 20 km de Muxía. Este restaurante é uma boa escolha tanto para menu diário quanto à la carte. O menu é sempre variado e com preço muito acessível. Pode-se também encomendar comida para levar: mariscadas, paellas,…

– Restaurante Tira do Cordel (Finisterre): Apesar das críticas, ainda é o melhor. Há muita lenda sobre O Tira do Cordel, e em grande parte real, mas é onde se come o robalo grelhado melhor da Galiza. É certo que ultimamente tentam absorver clientes de todo tipo de bolsos, e daí vêm as críticas, porque o robalo ou o marisco de 25 euros não pode ser o mesmo que o de 75 euros. Aconselhamos reservar, especialmente em datas de verão. Caso sejam um pequeno grupo de pessoas, é aconselhável pedir o mesmo peixe para todos, porque então, ao invés de diferentes “peixinhos” de ração para cada pessoa, servem um bom exemplar para compartilhar, que será muito melhor do que vários peixes pequenos.

– Restaurante O Centolo (Finisterre): Vista para o porto de pesca e excelente arroz com lagosta. A localização no centro de Finisterre e com vistas para a ria é  privilegiada. Em geral, tudo é bom, mas o arroz com lagosta é o melhor preparado em Finisterre. Certamente aconselhável.

– Restaurante Casa Lestón (Sardiñeiro): Na estrada para Finisterre, a 25 minutos de Muxía, temos este restaurante familiar, fundado em 1917, onde a comida é toda ao estilo da “avó” com boa carne e peixe da a um preço muito razoável. As lulas em sua tinta é uma de suas especialidades (pessoalmente, eu comecei a comer lá na companhia de meu avô há mais de 30 anos).

LAZER NOTURNO

om exceção da primeira quinzena de setembro, que é onde coincide a festa de Nosa Senhora da Barca, considerada na área a festa final de verão, e com grande atração noturna principalmente o fim de semana, o resto do ano Muxía não se caracteriza por sua vida noturna, sendo um destino turístico muito familiar e cultural.

Ainda assim, para tomar um drinque após o jantar, em um ambiente silencioso e aproveitar a noite fria de verão, há várias possibilidades.

EXCURSÕES

Como em toda à Galiza, e particularmente nesta costa tão atrativa, fazer excursões é uma atividade quase obrigatória, para descobrir os encantos da Galiza, que não são poucos.
Com a intenção de facilitar as coisas, listamos algumas excursões possíveis para fazer uma vez alojados em Muxía.

1 – SANTIAGO DE COMPOSTELA – Excursão de dia inteiro ou medio dia. É aconselhável partir depois do pequeno almoço, sem pressa, para Santiago de Compostela (70 minutos por uma boa estrada). Visite a Catedral, deem um passeio pela cidade velha e para os mais devotos (ou por curiosidade) assistam a Missa dos peregrinos, todos os dias às 12:00.
Percam-se pelas ruelas da cidade velha de Santiago de Compostela. Caminhar através da historia é uma atividade muito gratificante.
Se decidem comer em Santiago, aconselhamos o restaurante Dezaseis, localizado na Rua San Pedro, 16 (981564880 – aconselhável reservar), um típico restaurante galego, com boa matéria-prima. Não é o mais barato de Santiago, mas a relação preço / qualidade é muito boa.

2 – A CORUÑA – Para uma excursão de dia inteiro ou meio-dia.
Partindo con calma pela manhã, chega-se a A Corunha em 70 minutos, metade da viagem por uma estrada boa e a outra metade pela auto-estrada.
Aconselhamos que estacionem o carro em um centro de estacionamento do centro, pois estacionar numa rua no centro de A Coruña é muito complicado. Visitem o porto, a Praça de María Pita, a área de Los Olmos, Rua Real, Rua Galera, Riazor… A Coruña é uma cidade muito para caminhar.
Em seguida, recomendamos ir de carro para visitar Torre de Hércules, ícone da cidade de A Coruña, e o Monte San Pedro, que foi uma bateria militar e agora é uma área de jardins com vista espetaculares da cidade e do mar.
Se decidem comer em A Coruña, aconselhamos duas opções: o restaurante La de Alberto (981907411 – importante reservar), de grande qualidade a preço razoável, ou uma segunda opção seria ir de tapas e petiscos por Los Olmos e Calle Galera, mais casual mas mais divertido.

3 – MUROS / CARNOTA / O PINDO / EZARO – Para uma excursão de meio dia.
Aconselhamos sair sem pressa depois do almoço. Pela estrada da costa chega-se até Muros, onde podemos visitar esta vila de grande encanto com uma parte antiga muito bonita. Às vezes, no verão, há um barco em Muros, que oferece a possibilidade de dar passeios pela Ría. Vale muito a pena.
E de volta, pela mesma estrada da costa, podem parar em Carnota, onde é a maior praia da Galiza, com 7 km de comprimento e um ótimo estado de conservação sem multidões nem construções escandalosas. Podem também visitar cá o famoso “hórreo”, o maior que existe de 35 metros, onde se costumava armazenar o grão. (Não em todos os casos atualmente, já que agora são muitas vezes decorativos)
Um pouco mais ao norte chegamos à vila de O Pindo, localizada ao pé do grandioso Monte Pindo, do qual falaremos posteriormente na seção de Caminhadas, desde que a subida ao Monte Pindo é um grande incentivo para aqueles que gostam de caminhar e da natureza.
Logo após O Pindo, chegamos a O Ézaro, onde desemboca em cascada o rio Xallas (único rio na Europa que o faz desta maneira), em um ambiente de grande beleza, tanto de dia quanto de noite quando é iluminado. Uma vez vista a foz do rio Xallas, aconselhamos subir até o Mirador de O Ézaro, e deleitar-se com algumas das mais belas vistas da costa galega.

4 – CABO FINISTERRE – Um pôr do sol inesquecível.
Aconselhamos visitar o Cabo Finisterre ao anoitecer (meu pai e eu costumavamos ir com uma bolsa de sementes de girassol e uma garrafa de vinho) para desfrutar de um dos melhores pores do sol do mundo, e sobretudo cá, no “fim do mundo”. Sem pressa, chegem lá, estacionem o carro e procurem um lugar confortável para se sentar e… relaxem-se.
Uma vez que estamos em Finisterre, e depois de visitar o Cabo, aconselhamos ir para o centro de Finisterre para dar um passeio na zona do porto de pesca e para jantar em alguns dos seus restaurantes mais emblemáticos, onde o marisco e o peixe são da maior qualidade.

5 – COSTA DA MORTE – Natureza e mar em estado puro.
Dependendo do tempo que tenham para organizar a sua viagem e as pausas que decidam fazer nas suas visitas, enumeramos, de norte a sul, as vilas que são de visita obrigatória na Costa da Morte (Existem mais outras, mas não queremos ser chatos e, assim, incentivar a visita das mais destacadas).
– Malpica de Bergantiños: Uma das vilas mais típicas da Costa da Morte, com um pitoresco porto de pesca tradicional (pesca do dia) e uma linda praia mesmo no centro, cercada por passeio marítimo com pequenas esplanadas.
– Corme: A vila de Corme, e o farol de O Roncudo, forma uma das áreas mais puras da Costa da Morte. No farol de O Roncudo apanham-se os melhores perceves (e geralmente os mais caros) da costa galega. Ao ver toda a área da costa em torno do farol O Roncudo, percebe-se muito bem que os perceves tenham esse preço. No verão, temos a “Festa do Perceve” com a exaltação deste produto a preços razoáveis e uma grande atmosfera.
– Laxe: Agradável vila marinheira com uma praia de 2 km mesmo no centro e um passeio marítimo que cobre grande parte da praia. Alem desta praia no centro, temos a 8 km de Laxe a praia de Traba de Laxe, uma praia enorme, virgem e com muito charme.
-Camariñas: Capital da tradicional Renda de Bilros e origem da Costa da Morte, onde muitos barcos “famosos” afundiram, e onde muitas histórias e lendas são contadas em diferentes livros e publicações. Além do porto de pesca, situado no centro da vila, não se pode perder a visita ao Cabo Vilán, onde ainda hoje mora a sua faroleira que costuma conversar com os visitantes e contar histórias interessantes da zona.
– Ria de Lires: Um paraíso de paz, e um dos pôr do sol mais procurados da região. Recomendamos visitem a Ria de Lires pouco antes do anoitecer, para dar um passeio por toda a zona (até mesmo visitar antes o Cabo Touriñán), e depois sentar-se numa esplanada com um vinho / cerveja ou mesmo um Gin Tonic para presenciar um por do sol de grande beleza, que não é indiferente a ninguém.

PESCA

Para os amantes da pesca na costa (de terra), a Costa da Morte é um pequeno paraíso. A pesca da robaliza (robalo) é uma das mais praticadas.
Não poderia listar os lugares onde se pode praticar a pesca da robaliza (robalo) com chamariz (vinilos, rapalas, …) desde que existem muitos lugares na costa que podem ser mais ou menos idôneos en função as condições meteorológicas.
Além disso, em quase todos os portos de pesca das vilas costeiras, podem desfrutar de pesca da lula, que é da que mais gostam as crianças.

SENDERISMO

O Camihno de Santiago Fisterra-Muxía  pasa por diante dos  nossos apartamentos

Outro produto estrela para o caminhante é O  Camiño dos Faros (www.caminodosfaros.com). Esta caminhada, dividida em 8 etapas, percorre os 200 km entre Malpica de Bergantiños e Finisterre, e vai perto da costa, passando por espazos de grande beleza (praias, falésias, faróis,…) da Costa da Morte.

Para os caminhantes mais preparados, existem tramos de todos os tipos: mais curtos, mais longos, mais difícil, mais fácil… mas todas de grande beleza.

Para os iniciantes ou caminhantes menos preparados, aconselhamos os tramos “Arou-Laxe” e “Arou-Camariñas”, que são menos exigentes e não deixam dores musculares para o resto das férias.

SURF

Para os surfistas, a Costa da Morte tem uma das praias mais conhecidas para a prática deste esporte: a praia de Nemiña, entre Corcubión e Muxía (a 15 minutos de Muxía).

La cadena hotelera de A Costa da Morte (Galicia)